Pages

Páginas

Featured Posts

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Por não contratar transporte coletivo para a cidade, Gleide Santos passa a pagar multa de R$ 10 mil por dia

Prefeitura foi notificada na última quinta feira (23). Pela decisão do juiz, nesta segunda feira (27) já deveria haver transporte público circulando na cidade

Em 22 de março deste ano a empresa Viação São Francisco - OAM achou por bem rescindir o contrato com a prefeitura de Açailândia e assim o fez. Em nota, a empresa alegou que o motivo foi o que classificou como "concorrência desleal" com os táxis lotação. 

A Viação São Francisco era concessionária do serviço de prestação e exploração do transporte coletivo de passageiros do município. 

Açailândia que conta com mais de 100 mil habitantes ficou, até o momento, sem transporte coletivo. Isso atinge diretamente centenas de alunos, trabalhadores e idosos. 

Antes os estudantes e idosos podiam fazer uso da carteirinha, beneficio que os garantia o direito a meia passagem. O valor integral era de R$ 2,50. Desde que a empresa rescindiu o contrato, passaram a pagar R$ 3,00, valor do táxi. Entidades sociais do município resolveram se movimentar em busca de solução e conquistaram o direito de estudantes pagarem meia passagem. 

Ficou comprovado, faltou empenho da prefeita Gleide Santos para solucionar o problema. Em entrevista a rádio local, a gestora se ateve somente a dizer que trava uma batalha judicial com a empresa na justiça. 

Oito meses após, o Ministério Público resolveu se pronunciar. A Defensoria Pública do Estado do Maranhão propôs uma Ação Civil Pública onde é alegado que a prefeita Gleide Santos "não adotou nenhuma medida com vistas à solução do problema social gerado pela falta de transporte público no Município, eximindo-se do dever de regularizar o serviço e de lançar processo licitatório para a contratação de nova empresa idônea e capacitada para a prestação desse serviço essencial". 

O Ministério Público também confirma que Gleide Santos se omitiu em buscar formas de restabelecer a normalidade do serviço, e ressaltou que a falta de ônibus representa grave prejuízo real e imediato para a coletividade, dada a essencialidade do serviço. 

No último dia 14 de outubro, o Juiz Angelo Antonio Alencar dos Santos,  concedeu liminar determinando que Gleide Santos contratasse no prazo de cinco dias uma empresa de transporte público com capacidade para suportar o deslocamento da população. O magistrado ainda determinou o pagamento de multa no valor de R$ 10 mil diário, em caso de descumprimento. 

Ocorre que o prazo venceu nesta segunda feira e até agora, nada. A ação foi elaborada pelas promotoras Camila Gaspar, Samira e os defensores Vitor Eduardo e Igor Raphael. Só falta agora a prefeita ir para o rádio afirmar que querem ser prefeitos de Açailândia. Sim, a prefeita já se prestou ao ridículo papel de em entrevista a uma rádio local, afirmar que a promotora Glauce queria ser prefeita de Açailândia e recomendou que ela deveria se candidatar. 

Foi uma reação de Gleide Santos ao fato de Glauce fiscalizar de perto a gestão. De tão ridícula a afirmação, o Ministério Público Estadual emitiu nota de repúdio a gestora e afirmou: "Os promotores fiscalizam e atuam de forma anti-partidária, sem influência de partidos, seja da situação ou oposição". 

O Juiz Angelo não foi claro em sua decisão quando tratou sobre o pagamento da multa, não ficou especificado se o valor sai do bolso da prefeita ou dos cofres do município. 

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Veja como são feitas operações tapa buracos em Açailândia...


O vídeo acima, foi publicado pelo site Maranhão em Foco.com, as imagens mostram o momento em que funcionários da prefeitura, fardados inclusive com o uniforme da atual administração, tapam buracos em ruas da cidade utilizando entulhos, ou seja, pedaços de telha e tijolos. 

A avenida mostrada no vídeo fica localizada na Vila Ildemar, um bairro abandonado pelo a prefeita Gleide Santos desde que esta assumiu o cargo. Pela a via trafegam diariamente centenas de motoristas, inclusive taxistas que em busca do pão de cada dia, acabam ficando no prejuízo com peças quebradas. 

Essa não é a primeira vez que situações como essa ocorrem, a prefeitura já chegou a tapar buracos utilizando barro, ao invés de asfalto. A dois anos no poder, Gleide Santos ainda não conseguiu deslanchar sua administração, o resultado é uma rejeição estratosférica. 

Em campanha, o ex-candidato do Grupo Sarney, Lobão Filho, visitou o município apenas na reta final de campanha, mesmo tendo a gestora como aliada. Em discurso, Edinho inclusive chegou a prometer que taparia todos os buracos da cidade. É lamentável a situação em que se encontra o município.

Sim, porque a falta de recursos federal e estadual ocorrem justamente por conta da inadimplência do município. Ninguém ganha com isso, nem Gleide, que acumula alta rejeição, nem o povo, que segue sofrendo. 

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Corrupção pauta último debate entre Dilma e Aécio na TV

Os candidatos à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), durante o debate promovido pela Globo
Veja

O debate na televisão entre Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), promovido na noite desta sexta-feira pela TV Globo, seguiu o roteiro de tensão que marca a reta final da campanha para a Presidência da República neste ano. Frente a frente pela última vez antes das urnas, Aécio e Dilma apostaram nos mesmos trunfos dos embates anteriores: o tucano confrontou a petista sobre a profusão de escândalos no governo e frisou o retorno da inflação; a petista explorou a crise de falta de água em São Paulo e buscou a comparação entre as gestões do PT e do PSDB. Mas foi a corrupção, citada em três dos quatro blocos, o tema que esquentou o debate.
Mais de uma vez, a troca de farpas excedeu os microfones e acabou insuflando os convidados dos dois candidatos, que reagiram com vaias e aplausos na plateia. O formato de arena em dois dos quatro blocos, no qual os candidatos puderam se movimentar livremente pelo palco, expôs o nervosismo de Dilma, que já tinha de driblar a tradicional dificuldade de traquejo – ela chegou a chamar um eleitor de "candidato".

Aécio abriu o debate questionando a petista sobre a reportagem de capa de VEJA desta semana, na qual o doleiro Alberto Youssef, pivô de um megaesquema de lavagem de dinheiro desvios de recursos da Petrobras para políticos e partidos, afirmou em depoimento à Polícia Federal que Dilma e o ex-presidente Lula sabiam das falcatruas. O tucano também abordou o terrorismo eleitoral propalado pelo PT nos rincões do país, segundo o qual programas sociais serão encerrados se ela não se reeleger. Sobre corrupção, Dilma atacou a reportagem e repetiu o discurso de que os escândalos só foram descobertos depois que o PT chegou ao poder porque eram engavetados nas gestões tucanas.

O bloco inicial teve ainda embates sobre o investimento de 2 bilhões de reais do governo brasileiro na construção de um porto em Cuba e a volta da inflação. Além do choque de números, Dilma apostou em críticas às administrações tucanas e chamou Aécio de "líder do presidente Fernando Henrique Cardoso". O tucano devolveu: "Eu era líder do PSDB". Fora do microfone, Dilma disse: "Não tem importância". Foi quando Aécio cutucou: "Para quem não conhece o Congresso Nacional...". A claque entrou em ação: gargalhadas, aplausos e vaias.
No segundo bloco, foi na pergunta do terceiro eleitor indeciso sorteado que o clima ferveu. Tema: corrupção. Dilma respondeu dizendo que propõe um pacote de medidas para endurecer a legislação contra quem comete crimes de caixa dois e de colarinho branco. Na réplica, Aécio dirigiu-se à eleitora: "Vou responder olhando nos seus olhos. Tem uma medida que não depende do Congresso Nacional. Vamos tirar o PT do governo". Nova reação da plateia.
O terceiro bloco voltou ao formato de confronto aberto entre os dois. O modelo era outro, mas o tema que causou faíscas foi o mesmo. Aécio questionou Dilma: "Qual a opinião da senhora, da cidadã Dilma sobre o mensalão?". A petista cobrou dele explicações sobre o "mensalão mineiro" e citou denúncias envolvendo administrações tucanas. Rodeou, mas não respondeu. Por sua vez, Dilma tentou alfinetar o tucano com a crise hídrica em São Paulo, afirmando que houve falta de planejamento do governo Geraldo Alckmin (PSDB): "Não planejar no estado mais rico do país é uma vergonha".
No bloco final, novamente destinado a perguntas de eleitores indecisos selecionados pela emissora, o clima esfriou.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Verba Federal de R$ 1,4 mi para construção de UPA pode ter sido desviada em Açailândia

Dinheiro foi repassado pelo Governo Federal ao município desde 2012
Por Maicon Sousa

Obra iniciada em 10/09/2012 vive abandonada desde
que prazo pra entrega foi descumprido. Mais de um
milhão foi repassado ao Governo Municipal.
A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) que deveria existir em Açailândia foi projetada para oferecer atendimento de urgência hospitalar 24 horas, de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de saúde e as de urgência, nas especialidades de clínica médica e pediatra. 

A UPA ainda ofereceria exames de Raio-X, eletrocardiograma (ECG), eletroencefalograma e atendimentos que vão de uma simples febre e dor de cabeça, até infartos e acidente vascular cerebral (AVC). Tudo isso salvaria centenas de vidas, inclusive pessoas que sofrem acidentes no trânsito. O índice de fatalidades tem crescido nos últimos meses. 

Mas o Poder Público Municipal parece não ter interesse em concluir a obra, que deveria ter sido entregue no dia 31 de dezembro de 2012, ou seja, a dois anos atrás. Para a realização da unidade, o Governo Federal repassou R$ 1.441.201,98, (um milhão, quatrocentos e quarenta e 1 mil, duzentos e um reais e 98 centavos. 

Ainda na gestão do ex-prefeito Ildemar Gonçalves, a prefeitura destinou um terreno do município para a construção da UPA. A obra então começou a ser construída na área em que ficava localizado o antigo mercado público municipal. Ao fim de 2012, quando o ex-gestor entregou o cargo para a atual prefeita, Gleide Santos, as obras pararam. 

Chegou o ano de 2013, já na nova gestão, e nada da obra ser entregue. 2014 já está chegando ao fim, e as obras estão paradas. Nada foi concluído. O dinheiro, porém, não se sabe onde foi parar. Se as obras estão paradas por que não tem dinheiro, então pra onde foi o repasse de mais de um milhão? Se a antiga gestão desviou os recursos, por que até agora o governo não se manifestou ? Se o dinheiro ainda está na conta para a construção, por que não conclui? Se o dinheiro repassado não foi o suficiente, o que a fez subir de valor?

A prefeita Gleide Santos não foi encontrada para responder estas perguntas. A obra consta como sendo de interesse da prefeitura do município, logo as responsabilidades não podem serem jogadas sob o Governo Estadual e Federal. Levantamento feito pelo o Blog, comprovam que houve pouca fiscalizações dos órgãos competentes, inclusive do próprio Deputado Estadual Antonio Pereira, que comunicou ser o autor do pedido, porém ao que parece, esqueceu-se de cobrar resultados. 

Os vereadores da Comissão Processante, que investigam a gestão, Professor Pedro Coelho, Canela, Márcio Aníbal, Carlinhos do Fórum, Pr. Vagnaldo, Diomar Freire, Bento Camarão, Fátima Camelo e Fânio Mania poderiam fazer uma visita ao local e da tribuna ou por meio de requerimento exigir explicações. Estariam cumprindo o dever pelo o qual foram eleitos para cumprir, lutar pelos interesses do povo. 


Obra vive totalmente abandonada, local virou um grande matagal. Mais de um milhão pode ter descido pelo o ralo da
corrupção.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Sem mandato, José Sarney deve assumir cargo em eventual governo de Aécio Neves

Maranhão em Foco
Comandado por quase 50 anos pelo a família Sarney, o Maranhão possui alguns dos piores indicadores sociais do Brasil. Parte de sua população sobrevive do Bolsa Família, carro - chefe social do governo Lula e agora utilizado como vitrine pela presidente Dilma.

Segundo dados do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), mais de 753 mil famílias maranhenses recebem o benefício, somado o total chega a quase 3,2 milhões de pessoas, o que corresponde a 50% da população do estado.

Agora o presidenciável Aécio Neves (PSDB) afirma que manterá o programa social, Dilma o ataca com suas afirmações do passado a respeito do beneficio, nada favoráveis.  Bolsa Família já chegou a ser classificado como "Bolsa Esmola". 

Por meio do horário eleitoral, retransmitido também por TV Local para os maranhenses que não possuem antena parabólica, os beneficiários sabem que não há possibilidade do programa ser encerrado e por isto planejam votar em Aécio Neves, neste segundo turno.

O que se ver são alegações de que com o PT fora do governo, automaticamente Sarney/Lobão também estarão fora, um grande engano. 

Aécio Neves apoiou Flávio Dino no primeiro turno, juntos chegaram a inaugurar um comitê em Imperatriz, porém o agora governador eleito se manteve neutro. Neste segundo turno, o partido de Flávio, PC do B, segue com Dilma, o diretório estadual já declarou seu apoio a presidente. 

Dino, porém não se manifesta oficialmente, e se recusou a participar de uma reunião organizada pelo o PT com governadores eleitos ligados ao partido, o objetivo do ato era mostrar forças. 

Eduardo Campos, ex-candidato a presidência pelo o PSB, partido que agora apoia Aécio, sempre afirmou, inclusive em Timon, que Sarney estaria totalmente fora de seu governo, ele ficaria na oposição. Sarney reagiu e disse: não serei oposição, Campos não será presidente. O senador acertou, Eduardo morreu após o avião em que se encontrava cair. 

Marina Silva virou a candidata do partido, e excluiu qualquer possibilidade de Sarney participar do seu governo. Aécio Neves, porém nunca fez uma declaração contraria ao Senador, mesmo apoiando Flávio Dino no primeiro turno, talvez o motivo para aliança, seja o fato de que o PT já era aliado de Sarney na disputa estadual. 

A verdade é que quem vota em Aécio acreditando que fará uma mudança completa, elegendo Flávio Dino e o candidato a presidente, está redondamente enganado. Neves deverá governar aliado com todas as velhas raposas políticas, incluindo Sarney e Renan Calheiros. Aécio e José Sarney são amigos, como mostram as fotos que ilustra este post, conversam a pé de ouvido. 

O senador ficará sem mandato, ele não disputou a reeleição e sem nunca saber o que é ser oposição na vida pública, estando sempre ao lado do governo, apesar de não beneficiar o Maranhão com isto, Sarney já tem espaço garantido se o PT perder, o mesmo deve assumir um cargo em eventual governo de Aécio Neves. Político sem mandato, vale pouco ou nada, mas isto não se aplica a Sarney, um homem que andou com militares quando governaram o país, sabem o caminho das pedras. Ele deve receber a tarefa de ser um dos articuladores do governo, mas segundo o apurado,  pode ser também um ministério. 

A verdade é que nem um dos dois candidatos a presidência representa a mudança, a era PSDB é uma parte da história do Brasil que muitos anciões torcem pra nunca mais voltar, a começar pela a alta inflação. Já o governo do PT, apesar dos avanços com mais programas, fracassou. O partido viu seu alto clero ir pra cadeia no escândalo do mensalão. A Petrobrás teve milhões sugados dos seus cofres, inclusive para pagar pessoas que chantageavam os membros da sigla, ameaçando jogar Lula, que diz não ter conhecimento sobre os crimes, no centro das falcatruas. 

Como o voto é obrigatório e você precisa votar, faça um favor a si mesmo, vote em branco.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Presidente Estadual do PSB, Luciano Leitoa fala sobre apoio do partido ao candidato Aécio Neves

Prefeito Luciano Leitoa e Senador Roberto Rocha, em reunião que definiu
apoio do PSB a Aécio Neves/ Foto/Divulgação
Marina Silva não conseguiu criar a tempo o seu partido, rede, por conta disto se filiou ao PSB. O partido já tinha candidato, Eduardo Campos, que morreu de forma inesperada após o avião em que estava cair. 

Marina então se tornou a candidata oficial e teve como vice Beto Albuquerque. As pesquisas apontavam a agora ex-presidenciável com um crescimento espantoso, chegando a derrotar a presidente Dilma no segundo
Aécio Neves e Campos sempre mantiveram boas relações/Foto/
Roberto Pereira
turno. 


Mas logo em seguida a mesma começou a cair, fato que a própria Marina atribui ao ataque dos seus então dois principais adversários, a candidata do PT e Aécio Neves. 

O PT levou ao ar durante a propaganda eleitoral, inserções em que pratos de comida sumiam da mesa de uma família enquanto bancários sorriam alegres. Um ataque a proposta de Marina de dar mais autonomia ao Banco Central. 

O PSDB a taxou de mentirosa e se posicionou sempre como a verdadeira mudança. O efeito pode ser visto nos resultados da eleição presidencial, Marina que aparecia bem posicionada, ficou na terceira posição quando se abriu as urnas. Com mais de 20 milhões de votos, a ex-candidata não chegou ao segundo turno. 

Mas o PSB não poderia ficar neutro, e para tanto sua comitiva nacional se reuniu e com 26 votos a favor e 6 pela a neutralidade, o partido declarou apoio a candidatura de Aécio Neves. A reunião durou mais de duas horas. 

Do Maranhão, participou o presidente estadual da sigla e prefeito de Timon, Luciano Leitoa e o senador eleito na chapa do novo governador Flávio Dino, no último dia 05, Roberto Rocha. Antes mesmo da decisão oficial, ambos já defendiam o apoio do partido à Aécio Neves. 

Para Luciano Leitoa e Roberto Rocha, a ida do PSB com PSDB significa continuar em busca da mudança, pregada pelo saudoso Eduardo Campos. Luciano se disse ainda disposto a contribuir para eleição de Aécio Neves. Seus candidatos a governador e senador venceram na cidade da qual é prefeito, vitória, em parte, atribulada ao esforço do grupo político do gestor. 

Já o novo governador do Maranhão, Flávio Dino, seguirá com a presidente Dilma. No primeiro turno o comunista esteve com Aécio Neves, juntos chegaram a inaugurar um comitê de campanha em Imperatriz. Mas o PCdoB, partido de Flávio Dino, é aliado da candidata do PT, por tanto o diretório estadual já declarou apoio a Dilma, e isso implica o apoio de Dino. 

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Eleição municipal de 2016 já está em pauta em Açailândia...

Prefeitura de Açailândia já entrou em pauta... 
Querendo ou não, após estas eleições, a eleição municipal de Açailândia entra em pauta. Sim, políticos de Açailândia que disputaram vagas de deputados e foram bem votados, se preparam pra disputar a prefeitura em 2016. Entre eles, dois se destacam: Juscelino Oliveira e Jeová Alves.

O primeiro foi candidato a deputado estadual, apesar de não alcançar a vaga, sagrou-se como o primeiro mais votado no município e mostrou que ainda tem força. Jeová Alves, ex-prefeito de Açailândia, foi um que se chama de "efeito fênix", ressurgiu das cinzas. 

Ele foi candidato a deputado federal, e obteve mais de dez mil votos, sendo o primeiro mais votado. Um cacife respeitável para quem até então estava fora do cenário politico. Tanto Juscelino Oliveira quanto Jeová Alves pretendem se eleger prefeito, e se liberados por seus grupos, serão uma pedra no sapato de quem busca a reeleição.

Alguns leitores podem perguntar por Sergio Vieira e Pr. Cavalcante, estes o Blog deixou fora. Primeiro porque Sergio não conseguiu sequer uma suplência. Foi o que esta coluna já havia dito quando a péssima coordenação de campanha do candidato anunciava que analistas o apontava como eleito. Não passava de uma grande mentira e se cumpriu,  não foi eleito. Simples assim. 

Já Pr. Cavalcante mostrou-se ser um homem sem palavra ao longo da campanha. Mudou de federal, assim como o titular muda de camisa. Esteve com Paulo Marinho Junior, que fracassou mesmo dizendo ter 10 milhões pra gastar, esteve com Cleber Verde e outros mais. Usou e abusou da igreja, levou para o púlpito Lobão Filho, mas esteve o tempo todo com Flávio Dino. 

O Pastor também teve sua campanha manchada por uma suposta mala preta operada para beneficiar sua campanha. A mala teria sido apreendida com vários notas de vinte reais e santinhos do candidato. Uma história que ainda está sendo apurada pelo o Blog. 

Gleide Santos, claro, estará com a maquina e tem ainda dois anos para fazer um bom governo. Dr. Benjamin, um médico jovem da cidade, também estuda ser candidato. E o respeitado ex-prefeito Ildemar Gonçalves pode vim a ser candidato também... 

O pau vai quebrar, não me refiro ao que existe na entrada de Açailândia, colocado pelo o citado ex-prefeito, esse nunca quebrou...