Pages

Páginas

Featured Posts

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Dino anuncia diretor da Caema e secretário de Meio Ambiente

Marcelo_Coelho_Secretario_SEMAPA__8895__14_
Coelho será secretário de Meio Ambiente.
Flávio Dino (PCdoB) anunciou na manhã desta quarta-feira (19) o nome do próximo diretor-presidente da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema). A escolha do advogado Davi Telles foi anunciada por meio das redes sociais.
Telles é mestre em Direito Social pela Faculdade de Direito da Universidade Sorbonne (Paris), professor universitário e da pós-graduação de Direito do Trabalho da Universidade Ceuma.
O governador eleito também anunciou o futuro secretário de Meio Ambiente, desfalcando, mais uma vez, a equipe do prefeito Edivaldo Holanda Junior (PTC). O jornalista Marcelo Coelho, atual secretário Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento de São Luís, assumirá a pasta.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Postagem do Blog gera reação de internautas...

Promotora Camila Gaspar falou à imprensa sobre o assunto
A postagem do Blog cobrando um posicionamento do Ministério Público a cerca da falta de ônibus em Açailândia, deu o que falar. Isso já era esperado, mas as proporções foram maiores. Os internautas reagiram, e pelo o que se viu, a prefeita Gleide Santos não anda com a popularidade muito alta nas redes sociais. 

Ou seja, apesar do governo investir em midias como WhatsApp para repassar videos mostrando feitos da atual gestão, a estratégia não tem funcionado, tem parecido mais que o governo pretende tapar o sol com a peneira, e isso, o povo não engole. 

A postagem também chamou a atenção do Ministério Público. Na tarde desta segunda feira, horas após a publicação, membros da imprensa foram informados de uma coletiva para falar do assunto. Enquanto o problema que já dura quase um ano não é solucionado, o povo sofre, principalmente os estudantes. 



Alô Ministério Público! Se manifeste! Cade os ônibus? Gleide Santos está pagando as multas?

Segundo Ministério Público, Gleide Santos não adotou nenhuma medida com vistas à solução do problema social gerado pela falta de transporte público no Município, eximindo-se do dever de regularizar o serviço e de lançar processo licitatório para a contratação de nova empresa idônea e capacitada para a prestação desse serviço essencial. O que falta?


É inegável que os membros do Ministério Público são autoridades de conduta ilibada, que investigam de forma independente, não se deixando orientar por partidos de oposição ou situação.  Este blog foi totalmente contra a aprovação da proposta de emenda constitucional 37/2011, ou PEC 37, que se aprovada proibiria investigações pelo o Ministério Público. Com muita luta, inclusive das promotoras de justiça do município de Açailândia, Camila Gaspar Leite, que assina uma ação pedindo a regularização do transporte público, Glauce Malheiros e demais membros da promotoria pública. A proposta foi rejeitada por ser anti-democrática. 

E é com essa prerrogativa que o Blog cobra de forma pública uma manifestação do Ministério Publico Estadual no que se refere a falta de ônibus em Açailândia. Chega! é inadmissível tanto descaso por parte do poder público. 

Entenda:

Por não contratar transporte coletivo para a cidade, Gleide Santos passa a pagar multa diária

E o MP deve se manifestar sim, até mesmo para não cair no descredito, algo que já mais pode acontecer com uma instituição tão seria, o MP não pode deixar que sua atuação seja posta em cheque por conta da gestora, senhora prefeita, Gleide Lima Santos. 

O ano de 2014 já anuncia os seus últimos dias, está chegando ao fim. A nove meses sem ônibus, a população do município sofre. São idosos, estudantes e trabalhadores que precisam do transporte público. A renda destes foi comprometida, precisam pagar caro para ter o direito de ir e vim. 

Em outubro a Defensoria Pública do Estado do Maranhão propôs uma Ação Civil Pública onde é alegado que a prefeita Gleide Santos "NÃO ADOTOU NENHUMA MEDIDA COM VISTAS À SOLUÇÃO DO PROBLEMA SOCIAL GERADO PELA A FALTA DE TRANSPORTE PÚBLICO NO MUNICÍPIO, EXIMINDO-SE DO DEVER DE REGULARIZAR O SERVIÇO E DE LANÇAR PROCESSO LICITATÓRIO PARA A CONTRATAÇÃO DE NOVA EMPRESA IDÔNEA E CAPACITADA PARA A PRESTAÇÃO DESSE SERVIÇO ESSENCIAL"

Em 23 de outubro, a prefeitura foi notificada. A partir dai a gestora recebeu um prazo de cinco dias para colocar os ônibus de volta nas ruas da cidade. E mais, o Ministério Público também confirma que Gleide Santos se omitiu em buscar formas de restabelecer a normalidade do serviço, e ressaltou que a falta de ônibus representa grave prejuízo real e imediato para a coletividade, dada a essencialidade do serviço. 

De acordo com a liminar concedida pelo o Juiz Angelo Santos, se Gleide descumprisse o prazo, teria que pagar multa diária no valor de R$ 10. 000. Evidente que o prazo está mais que esgotado, e não se tem ônibus. O MP não pode se deixar ser peitado por uma gestora que já chegou a afirmar em rádio local que as promotoras queriam era ser prefeitas, e que deviam era se candidatar. A afirmação chegou a gerar inclusive uma nota de repúdio por parte do Ministério Público Estadual. 

A população espera ansiosamente pela a solução do problema, que segundo o próprio MP, Gleide Santos se recusou a solucionar. 

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Após abordagem do Blog, obras paradas começam a ser retomadas...

Obras estavam paradas, mas  homens foram vistos trabalhando no
local, nesta quarta feira. 
Este Blog de fato conquistou seu espaço, isso se deve em primeiro lugar aos nossos leitores, em seguida aos parceiros. Abordei aqui nesta pagina e cobrei o fato de obras como da delegacia regional e da UPA, estarem paralisadas a vários meses. Mostrei como seria bom que tivessem sido entregues. 

Reveja:


UPA estava com obras paradas, homens foram vistos
trabalhando no local, nesta quarta feira. 
Menos de uma semana, as obras foram retomadas. Já nesta quarta feira (05) homens foram vistos trabalhando no local onde será a delegacia, bem como na UPA. No quartel, as viaturas batidas foram retiradas do pátio, e as obras seguem. 

É provável que não sejam entregues este ano, mas devem melhorar a qualidade de vida da população, já no inicio de 2015. 

A prefeitura municipal consta como principal interessada. 

domingo, 2 de novembro de 2014

A mais de um ano em construção, Delegacia Regional de Açailândia nunca foi entregue a população

Maranhão em Foco.com

A mais de um ano em construção, a delegacia regional de Açailândia nunca foi entregue. O prédio fica localizado na entrada da Vila Ildemar, no setor onde também se localiza a Promotoria de Justiça e o Fórum do município. 

Ainda em 2012, as obras foram paralisadas antes do carnaval  e só foram retomadas em 5 de março de 2013. Ocorre que o prazo de entrega era 120 dias, no fim do ano 2014, até agora nada. 

A entrega da obra teria sido de suma importância para melhorar a segurança no município. Pois os policiais contariam com melhores condições para trabalhar, levando em consideração o novo endereço da delegacia, de forma que otimizariam o contato entre as instituições, Promotoria e Fórum, localizados a poucos metros da construção. 

Ainda no inicio do ano de 2013 as obras paralisaram novamente, a construção é de interesse da prefeitura municipal e recebeu quase meio milhão de reais do estado pra ser construída. Foram R$ 442.404.06 (quatrocentos e quarenta e dois mil, quatrocentos e quatro reais e seis centavos). 

Segundo levantamento feito pelo o site Maranhão em Foco, em Açailândia a Polícia Civil possui delegacias no distrito Pequiá, localizado a cerca de 15 km do centro. Além disto tem o 1º e 2º distritos e a Delegacia da Mulher. Porém, todos os prédios estão em péssimos estados de conservação. 

A situação mais agravante é a que ocorre no 1º Distrito Policial, lá o índice de fugas é alto. Só em 2013 foram cerca de 10. Já este ano foram registradas cinco tentativas de fuga. A precaridade das celas e o alto número de presos, ultrapassando o recomendado, motivaram o Ministério Público a ajuizar em junho deste ano uma Ação Civil Pública pedindo a interdição total do Primeiro Distrito. 

Na mesma ação, o MP pediu a conclusão da construção da nova delegacia regional. O prazo foi de 60 dias. Pelo levantamento do Maranhão em Foco, a ação não teve muito efeito. O prazo foi totalmente descumprido, as obras estão abandonadas e os policiais seguem sem melhores condições de trabalho. 

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Por não contratar transporte coletivo para a cidade, Gleide Santos passa a pagar multa de R$ 10 mil por dia

Prefeitura foi notificada na última quinta feira (23). Pela decisão do juiz, nesta segunda feira (27) já deveria haver transporte público circulando na cidade

Em 22 de março deste ano a empresa Viação São Francisco - OAM achou por bem rescindir o contrato com a prefeitura de Açailândia e assim o fez. Em nota, a empresa alegou que o motivo foi o que classificou como "concorrência desleal" com os táxis lotação. 

A Viação São Francisco era concessionária do serviço de prestação e exploração do transporte coletivo de passageiros do município. 

Açailândia que conta com mais de 100 mil habitantes ficou, até o momento, sem transporte coletivo. Isso atinge diretamente centenas de alunos, trabalhadores e idosos. 

Antes os estudantes e idosos podiam fazer uso da carteirinha, beneficio que os garantia o direito a meia passagem. O valor integral era de R$ 2,50. Desde que a empresa rescindiu o contrato, passaram a pagar R$ 3,00, valor do táxi. Entidades sociais do município resolveram se movimentar em busca de solução e conquistaram o direito de estudantes pagarem meia passagem. 

Ficou comprovado, faltou empenho da prefeita Gleide Santos para solucionar o problema. Em entrevista a rádio local, a gestora se ateve somente a dizer que trava uma batalha judicial com a empresa na justiça. 

Oito meses após, o Ministério Público resolveu se pronunciar. A Defensoria Pública do Estado do Maranhão propôs uma Ação Civil Pública onde é alegado que a prefeita Gleide Santos "não adotou nenhuma medida com vistas à solução do problema social gerado pela falta de transporte público no Município, eximindo-se do dever de regularizar o serviço e de lançar processo licitatório para a contratação de nova empresa idônea e capacitada para a prestação desse serviço essencial". 

O Ministério Público também confirma que Gleide Santos se omitiu em buscar formas de restabelecer a normalidade do serviço, e ressaltou que a falta de ônibus representa grave prejuízo real e imediato para a coletividade, dada a essencialidade do serviço. 

No último dia 14 de outubro, o Juiz Angelo Antonio Alencar dos Santos,  concedeu liminar determinando que Gleide Santos contratasse no prazo de cinco dias uma empresa de transporte público com capacidade para suportar o deslocamento da população. O magistrado ainda determinou o pagamento de multa no valor de R$ 10 mil diário, em caso de descumprimento. 

Ocorre que o prazo venceu nesta segunda feira e até agora, nada. A ação foi elaborada pelas promotoras Camila Gaspar, Samira e os defensores Vitor Eduardo e Igor Raphael. Só falta agora a prefeita ir para o rádio afirmar que querem ser prefeitos de Açailândia. Sim, a prefeita já se prestou ao ridículo papel de em entrevista a uma rádio local, afirmar que a promotora Glauce queria ser prefeita de Açailândia e recomendou que ela deveria se candidatar. 

Foi uma reação de Gleide Santos ao fato de Glauce fiscalizar de perto a gestão. De tão ridícula a afirmação, o Ministério Público Estadual emitiu nota de repúdio a gestora e afirmou: "Os promotores fiscalizam e atuam de forma anti-partidária, sem influência de partidos, seja da situação ou oposição". 

O Juiz Angelo não foi claro em sua decisão quando tratou sobre o pagamento da multa, não ficou especificado se o valor sai do bolso da prefeita ou dos cofres do município. 

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Veja como são feitas operações tapa buracos em Açailândia...


O vídeo acima, foi publicado pelo site Maranhão em Foco.com, as imagens mostram o momento em que funcionários da prefeitura, fardados inclusive com o uniforme da atual administração, tapam buracos em ruas da cidade utilizando entulhos, ou seja, pedaços de telha e tijolos. 

A avenida mostrada no vídeo fica localizada na Vila Ildemar, um bairro abandonado pelo a prefeita Gleide Santos desde que esta assumiu o cargo. Pela a via trafegam diariamente centenas de motoristas, inclusive taxistas que em busca do pão de cada dia, acabam ficando no prejuízo com peças quebradas. 

Essa não é a primeira vez que situações como essa ocorrem, a prefeitura já chegou a tapar buracos utilizando barro, ao invés de asfalto. A dois anos no poder, Gleide Santos ainda não conseguiu deslanchar sua administração, o resultado é uma rejeição estratosférica. 

Em campanha, o ex-candidato do Grupo Sarney, Lobão Filho, visitou o município apenas na reta final de campanha, mesmo tendo a gestora como aliada. Em discurso, Edinho inclusive chegou a prometer que taparia todos os buracos da cidade. É lamentável a situação em que se encontra o município.

Sim, porque a falta de recursos federal e estadual ocorrem justamente por conta da inadimplência do município. Ninguém ganha com isso, nem Gleide, que acumula alta rejeição, nem o povo, que segue sofrendo. 

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Corrupção pauta último debate entre Dilma e Aécio na TV

Os candidatos à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), durante o debate promovido pela Globo
Veja

O debate na televisão entre Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), promovido na noite desta sexta-feira pela TV Globo, seguiu o roteiro de tensão que marca a reta final da campanha para a Presidência da República neste ano. Frente a frente pela última vez antes das urnas, Aécio e Dilma apostaram nos mesmos trunfos dos embates anteriores: o tucano confrontou a petista sobre a profusão de escândalos no governo e frisou o retorno da inflação; a petista explorou a crise de falta de água em São Paulo e buscou a comparação entre as gestões do PT e do PSDB. Mas foi a corrupção, citada em três dos quatro blocos, o tema que esquentou o debate.
Mais de uma vez, a troca de farpas excedeu os microfones e acabou insuflando os convidados dos dois candidatos, que reagiram com vaias e aplausos na plateia. O formato de arena em dois dos quatro blocos, no qual os candidatos puderam se movimentar livremente pelo palco, expôs o nervosismo de Dilma, que já tinha de driblar a tradicional dificuldade de traquejo – ela chegou a chamar um eleitor de "candidato".

Aécio abriu o debate questionando a petista sobre a reportagem de capa de VEJA desta semana, na qual o doleiro Alberto Youssef, pivô de um megaesquema de lavagem de dinheiro desvios de recursos da Petrobras para políticos e partidos, afirmou em depoimento à Polícia Federal que Dilma e o ex-presidente Lula sabiam das falcatruas. O tucano também abordou o terrorismo eleitoral propalado pelo PT nos rincões do país, segundo o qual programas sociais serão encerrados se ela não se reeleger. Sobre corrupção, Dilma atacou a reportagem e repetiu o discurso de que os escândalos só foram descobertos depois que o PT chegou ao poder porque eram engavetados nas gestões tucanas.

O bloco inicial teve ainda embates sobre o investimento de 2 bilhões de reais do governo brasileiro na construção de um porto em Cuba e a volta da inflação. Além do choque de números, Dilma apostou em críticas às administrações tucanas e chamou Aécio de "líder do presidente Fernando Henrique Cardoso". O tucano devolveu: "Eu era líder do PSDB". Fora do microfone, Dilma disse: "Não tem importância". Foi quando Aécio cutucou: "Para quem não conhece o Congresso Nacional...". A claque entrou em ação: gargalhadas, aplausos e vaias.
No segundo bloco, foi na pergunta do terceiro eleitor indeciso sorteado que o clima ferveu. Tema: corrupção. Dilma respondeu dizendo que propõe um pacote de medidas para endurecer a legislação contra quem comete crimes de caixa dois e de colarinho branco. Na réplica, Aécio dirigiu-se à eleitora: "Vou responder olhando nos seus olhos. Tem uma medida que não depende do Congresso Nacional. Vamos tirar o PT do governo". Nova reação da plateia.
O terceiro bloco voltou ao formato de confronto aberto entre os dois. O modelo era outro, mas o tema que causou faíscas foi o mesmo. Aécio questionou Dilma: "Qual a opinião da senhora, da cidadã Dilma sobre o mensalão?". A petista cobrou dele explicações sobre o "mensalão mineiro" e citou denúncias envolvendo administrações tucanas. Rodeou, mas não respondeu. Por sua vez, Dilma tentou alfinetar o tucano com a crise hídrica em São Paulo, afirmando que houve falta de planejamento do governo Geraldo Alckmin (PSDB): "Não planejar no estado mais rico do país é uma vergonha".
No bloco final, novamente destinado a perguntas de eleitores indecisos selecionados pela emissora, o clima esfriou.